Sondagem aos TUA, Transportes Urbanos de Almeirim

Nota: Esta Publicação não reproduz a totalidade dos gráficos elaborados para a realização do trabalho proposto.

Gráficos elaborados em Microsoft Excel 2007

1. INTRODUÇÃO

1.1 Descrição e justificação do tema

A pertinência da escolha deste tema assenta na premissa de que, sendo o TUA um serviço público de transportes urbanos, com mais de 80.000 utentes/ano, a funcionar com regularidade na cidade de Almeirim desde 2006 e tendo como razão principal para a sua existência, a mobilidade e a redução de veículos automóveis dentro da malha urbana do centro cívico, sendo presentemente a alternativa possível à mobilidade de uma larga faixa de população mais idosa, mas também a um conjunto de utilizadores que se servem deste meio para deslocações ocasionais, justificamos a escolha do tema pela oportunidade de fazer um trabalho de carácter estatístico nunca antes feito, capaz de contrariar análises empíricas ou pouco sustentadas e levar a eventuais melhorias do serviço prestado.

O facto da maioria dos constituintes deste grupo de trabalho ser natural de Almeirim e viver ou trabalhar na cidade, pesou na escolha.

Esta recolha de dados contou com o conhecimento e aprovação do responsável municipal pela criação deste serviço de transportes.

1.2 Descrição e justificação da população/amostra

Na base dos objectivos desta sondagem está a análise da qualidade e funcionalidade do serviço prestado, bem como, fornecer alguns elementos de análise quanto ao género, tempos de espera entre autocarros, distância às paragens, tipo, ou grau de satisfação dos seus utilizadores, entre outros. Desta forma, para a recolha dos dados, optou-se pela forma presencial que incidiu nos utilizadores/utentes, por serem estes os que melhor nos podem fornecer a informação necessária.

Assim, de entre a população – todos os utentes TUA -foi escolhida uma amostra aleatória de 30 dos utilizadores efetivos (pela impossibilidade de o fazer ao universo total dos utilizadores) realizando-se em 2 dias distintos, a saber: 5 e 6 de Novembro de 2010.

1.3 Descrição e justificação do objectivo

O objectivo desta sondagem é fornecer elementos de análise aos responsáveis pela gestão do serviço de transportes, elementos esses capazes de possibilitar reformas, adaptações, ou melhorias, nas condições de prestação do serviço, fornecendo ainda um instrumento de análise comparativa, fiável e atual.

2. METODOLOGIA

2.1 Descrição do instrumento de recolha de dados.

A recolha de dados usou como recurso, o tradicional inquérito em papel, apresentando-se em folha única, formato A4.

Das 16 questões do inquérito, 9 incidem sobre dados qualitativos e as restantes 7 abordam assuntos de carácter quantitativo.

O inquérito foi executado recorrendo a software para desenho – cdr12- e fotocopiado a preto e branco. A recolha de dados foi presencial e dentro dos 2 mini-autocarros, presentemente ao serviço da empresa. A recolha aleatória recaiu em quem – efetivamente – usava o serviço e se prestava, sem imposição, a responder ao inquérito. A responsabilidade pela recolha, tratamento e análise dos dados, cabe à equipa de alunos que subscrevem este relatório, mas contaram com a supervisão da Docente da unidade curricular.

2.2 Procedimento para a recolha dos dados

Refira-se que, para além de ser explicado ao utente a razão da auscultação, o elemento feminino encarregue da recolha dos dados, tentou criar a empatia necessária com os utilizadores mais idosos, para que a verdade da tarefa não fosse inquinada por alguma desconfiança. A paragem 15, da Linha Vermelha, foi escolhida como apeadeiro principal. De referir ainda, que o elemento do grupo responsável pela recolha, se apresentava identificado com cartão de identificação e, quer o responsável municipal pelo serviço, quer os motoristas, tiveram, antecipadamente, conhecimento da sondagem. Na maioria das situações os impressos para a recolha de informação foram preenchidos pelos utentes, somente nos casos em que os questionados apresentavam algumas dificuldades no seu preenchimento, sofreram a ajuda da aluna Tânia Prates que foi quem recolheu os dados.

Neste ponto far-se-á a análise de todas as Tabelas de Frequência e Contingência, Gráficos, Diagramas de Dispersão, Características Numéricas e Cálculos para dados bivariados, bem como, interpretação e relações de tabelas e gráficos e suas características numéricas.

Questão Nº 1 – Idade dos Utentes

Podemos concluir que, em face dos dados desta variável Quantitativa Discreta medida numa escala absoluta, a amplitude de idades varia entre os 19 (mín.) aos 79 (máx.) anos, com uma média de idades de 56,23, tendo utentes2como valor mais frequente (Moda) 68 anos (idade que registou maior nº. ocorrências). Quanto aos Quartis, foram registados valores de 45,5 – 61-68 (anos) respectivamente para os Q1, Q2 e Q3, sendo que a Amplitude Interquartil(diferença entre o maior e menor valores) registou o valor de 22,5 (anos).Observando o Diagrama de Extremos-e-Quartis, podemos concluir que regista concentração no extremo superioro que nos diz que este tipo de transporte urbano é bastante mais usado pela população sénior.A dispersão dos valores (Desvio Padrão) relativamente à Média registou um valor de 17,51 (anos). Quanto ao Coeficiente de Variação registou 31,14 % o que indica baixo grau de dispersão relativa (inferior a 50%), dando desta forma maior expressão à média de idades, pode igualmente concluir-se, que de entre os valores analisados, não foram encontrados outliers, pois todos os valores se encontram entre os valores adjacentes inferior (Ai 11,75) e superior (As 101,75) Conclusão: Usado maioritariamente por utentes séniores

Questão Nº 2 – Sexo dos Utentes

utentes3Podemos concluir que, em face dos dados desta variável Qualitativa, analisada numa escala nominal, podemos concluir facilmente que o género (sexo) que utiliza este tipo de transporte e maioritariamente feminino com uma frequência relativa de 87%.Conclusão: O valor da Moda (Mo), em face dos dados registados é: Feminino

Questão Nº 3 – Linha Mais Utilizada (Vermelha/Azul)

usadaPodemos concluir que, em face dos dados desta variável Qualitativa, analisada numa escala nominal, podemos concluir facilmente que a linha mais utilizada é a Linha Vermelha, com uma frequência relativa de 80%.Conclusão: Em face dos dados apurados o valor da Moda (Mo), é: Linha Vermelha

Questão Nº 4 – Em média quantas vezes por semana utiliza os TUA

Concluímos que, em face dos dados desta variável Quantitativa Discreta medida numa escala absoluta, a amplitude varia entre 1 (mín.) e 8 (máx.) utilizações semanais, com uma média de 3,73 utilizações, tendo como valor mais frequente (Moda) 5 utilizações (valor que registou maior nº. ocorrências). Quanto aos Quartis, foram registados valores de 2 – 4 – 5 respectivamente para os Q1, Q2 e Q3, a Amplitude Interquartil registou o valor de 3.imageObservando o Diagrama de Extremos-e-Quartis, podemos concluir que regista concentração no extremo inferioro que nos diz que este tipo de utilização é usado maioritariamente entre as 4 e as 5 utilizações semanais.A dispersão dos valores (Desvio Padrão) relativamente à Média registou um valor de 1,86 (utilizações). Quanto ao Coeficiente de Variação registou 37,11 % o que indica baixo grau de dispersão relativa (inferior a 50%), dando desta forma maior expressão à média de utilizações. Podemos igualmente concluir, que de entre os valores analisados, não foram encontrados outliers, pois todos os valores se encontram entre os valores adjacentes inferior (Ai -2,5) e superior (As 9,5) Conclusão: Usado, em média, 2 a 5 vezes por semana

Questão Nº 5 – Tempo de passagem entre autocarros

imagePodemos concluir que, em face dos dados desta variável Qualitativa, analisada numa escala nominal, podemos concluir que a opinião dos utentes dos TUA nos diz que o tempo de espera é sim, é razoável, pois a opinião dos utilizadores registou uma frequência relativa de 93%.Conclusão: Em face dos dados apurados o valor da Moda (Mo), é: Sim

Questão Nº 6 – Os Lugares sentados são suficientes?

imageConcluímos que, em face dos dados desta variável Qualitativa, analisada numa escala nominal, podemos observar que a opinião dos utentes dos TUA acerca do número de lugares sentados, ser ou não suficientes, a resposta é um claro Sim, pois a opinião dos utilizadores é amplamente favorável, registando uma frequência relativa de 73%.Conclusão: Em face dos dados apurados o valor da Moda (Mo), é: Sim

Questão Nº 7 – Conforto do Autocarro

imagePodemos afirmar que, em face dos dados desta variável Qualitativa, analisada numa escala nominal, acerca do conforto do autocarro, os dados indicam que a resposta é maioritariamente sim – é confortável – para a qual a frequência relativa regista uma valor de 97%.Conclusão: Em face dos dados apurados o valor da Moda (Mo), é: Sim

Questão Nº 8 – Definição do Preço do Bilhete

imagePodemos afirmar que, em face dos dados desta variável Qualitativa, analisada numa escala ordinal (Modalidade: Barato / Caro / Justo), acerca do valor do preço cobrado, a opinião maioritária é de que é justo, uma vez que, além deste valor corresponder à Moda das modalidades registadas, a frequência relativa regista um valor de 67%.Conclusão: Em face dos dados apurados o valor da Moda (Mo), é: Justo

Questão Nº 9 – Sendo que o preço atual de um bilhete é de 0,50€, na sua opinião, qual o valor justo para o Preço do Bilhete

imageConcluímos que, em face dos dados desta variável Quantitativa Contínua medida numa escala absoluta, a amplitude varia entre 0.20€ (mín.) e 0.60€ (máx.) o preço médio sugerido é de 0.50€, tendo como classe de valor mais frequentes a Classe Modal, [0,44 ; 0,52[ com 16 registos. Quanto aos Quartis, foram registados valores aproximados de 0,50 – 0,50 – 0,60 respectivamente para os Q1, Q2 e Q3, sendo que a Amplitude Interquartil diferença entre o preço mais baixo sugerido e o preço mais alto) registou o valor de 0,3. Observando o Diagrama de Extremos-e-Quartis, podemos concluir que regista concentração no extremo superior direitoo que nos diz que a concentração ocorre entre 0,5 e 0,6.A dispersão dos valores (Desvio Padrão) relativamente à Média registou um valor de 0,095. Quanto ao Coeficiente de Variação registou 18,96 % o que indica baixo grau de dispersão relativa (inferior a 50%), dando desta forma maior expressão à média do valor sugerido por viagem. Podemos igualmente concluir, que de entre os valores analisados, foram encontrados 2 outliers, respectivamente 0,20 e 0,30, pois encontra-se à esquerda do valor do adjacente inferior (Ai – 0.35) não se registando valores superiores ao Adjacente superior (As 0,75) Conclusão: O preço está de acordo com o valor sugerido pela maioria dos utilizadores

Questão Nº 10 – Qual a distância da sua casa à Paragem mais próxima.

imagePodemos concluir que, em face dos dados desta variável Quantitativa Contínua medida numa escala absoluta, a amplitude varia entre os 10 metros (mín.)eos 2.000 metros (máx.), tendo como valor mais frequente para a Classe Modal, [10 ; 408[ com 21 registos representando este valor 70% da frequência relativa (fi), tendo como Média 349,67m. Quanto aos Quartis, foram registados valores aproximados de 100 – 200 – 500, respectivamente para os Q1, Q2 e Q3, sendo que a Amplitude Interquartil de 400m. Observando o Diagrama de Extremos-e-Quartis, podemos concluir que regista concentração no extremo inferior esquerdoo que nos permite concluir que a maioria dos passageiros mora perto da paragem, a uma distância inferior a 500 metros.A dispersão dos valores (Desvio Padrão) relativamente à Média registou um valor de 422,76 m. Quanto ao Coeficiente de Variação registou 120,90 % o que indica um alto grau de dispersão relativa (superior a 50%), neste caso a Média é pouco representativa como medida estatística. Podemos igualmente concluir, que de entre os valores analisados, foi encontrado 1 outliers, um morador que dista 2000 m da paragem mais próxima, pois encontram-se à direita do valor do Adjacente superior (As 1.250m) não se registando qualquer valor inferior ao Ai (-500m). Conclusão: A maioria dos utilizadores mora a duma distância inferior a 500 metros da paragem mais próxima.

Questão Nº 11 – Transporte de Bagagem de mão

imageConclui-se que, em face dos dados desta variável Qualitativa, analisada numa escala nominal (Modalidade: Sim / Não), acerca do transporte de bagagem de mão, a maioria dos passageiros respondeu afirmativamente à questão – Transporta bagagem – com uma frequência relativa de 67%. A Moda (Mo) é o Sim, por ser o valor com maior número de ocorrênciasConclusão: Em face dos dados apurados o valor da Moda (Mo), é: Sim

Questão Nº 11.2 – Qual o peso da bagagem transportada.

imagePodemos concluir que, em face dos dados desta variável Quantitativa Contínua medida numa escala absoluta, a amplitude varia entre 1Kg (mín.)e 20 Kg (máx.), tendo como valores mais frequente a Classe Modal, [1 ; 4,8[ com 7 registos para um valor de 35% de frequência relativa (fi). Média observada 6,53Kg. Quanto aos Quartis, foram registados valores aproximados de 3 – 5 – 10, respectivamente para os Q1, Q2 e Q3, sendo que a Amplitude Interquartil( diferença entre a bagagem mais pesada e a mais leve) é de 7kg. Observando o Diagrama de Extremos-e-Quartis, podemos concluir que regista concentração no extremo inferior esquerdoo que nos permite concluir que a maioria dos passageiros transporta como bagagem um peso inferior a 10kg.A dispersão dos valores (Desvio Padrão) relativamente à Média registou um valor de 4,76kg. Quanto ao Coeficiente de Variação registou 72,93 %, o que indica um alto grau de dispersão relativa (superior a 50%), neste caso a Média é pouco representativa como medida estatística. Podemos igualmente concluir, que de entre os valores analisados, não foram encontrados outliers, uma vez que todos os valores apurados se encontram entre os valores adjacentes (As 20,5kg) e o Ai (-7,5kg). Conclusão: A maioria dos passageiros transporta bagagem com peso inferior a 10kg.

Questão Nº 12 – Qual o preço justo para o Passe

imageDa análise dos dados podemos concluir que, em face dos dados desta variável Quantitativa Contínua medida numa escala absoluta, a amplitude varia entre 4€ (mín.)e 10€ (máx.), tendo como valor mais frequente para a Classe Modal, [6,4 ; 47,6[ com 14 registos para um valor de 47% de frequência relativa (fi). A Média observada apresentou um valor de 6.55€. Quanto aos Quartis, foram registados valores aproximados de 6 – 7 – 7, respectivamente para os Q1, Q2 e Q3, sendo que a Amplitude Interquartil é de 1€. Observando o Diagrama de Extremos-e-Quartis, podemos concluir que regista concentração no centro o que nos permite concluir que a maioria dos passageiros inquiridos optou pelos valores entre 6 e 7€, como preço justo para o Passe.A dispersão dos valores (Desvio Padrão) relativamente à Média registou um valor de 1.23€. Quanto ao Coeficiente de Variação registou 118,84 %, o que indica um alto grau de dispersão relativa, neste caso a Média é bastante representativa como medida estatística. Podemos igualmente concluir, que de entre os valores analisados, foram encontrados 2 outliers, uma vez que 2 dos valores apurados ( o 4 e 0 10) se encontram fora dos limites Inferior e Superior, Ai (4,5) e As (8,5). Conclusão: A maioria dos utentes entende que o valor justo do Passe é entre 6 e 7€

Questão Nº 13 – Como classifica o grau de satisfação pelo serviço

imageConclui-se que, em face dos dados desta variável Qualitativa, analisada numa escala ordinal (Modalidade: Pouco Satisfeito / Satisfeito / Muito Satisfeito), acerca do grau de satisfação pelo serviço prestado, a maioria dos utentes/passageiros respondeu: Satisfeito, com uma frequência relativa de 67%. A Moda (Mo) é o Satisfeito, por ser o valor com maior número de ocorrênciasConclusão: Em face dos dados apurados, o grau (geral) de satisfação é: Satisfeito

– DADOS BIVARIADOS

imageIDADE|PARAGEM – Neste estudo, de uma distribuição bidimensional, pretendemos saber se existe alguma relação entre a Idade dos utentes e a Paragemmais próxima de sua casa. Podemos afirmar que, em confronto com os dados obtidos, a correlação Idade|distância é negativa fraca) apresentando um valor igual a – 0,24 (do coeficiente de Pearson) não existindo assim uma relação evidente da idade dos utilizadores com a proximidade das suas moradas.A equação da recta de regressão apresenta a seguinte forma y=-5,73 x + 672,14., o que nos indica que quando a idade for 0 anos temos um valor para o a distância à paragem de 672,14 m (y=672,14).imageIDADE|VEZES POR SEMANA – Neste estudo, de uma distribuição bidimensional, entre a Idade dos utentes e a Média de Utilização do transporte, podemos afirmar que, com base nos dados obtidos, a correlação continua a ser negativa fraca, apresentando um valor de: r= – 0,13 não existindo assim uma relação evidente da idade com média de utilização semanal por parte dos utentes.

– TABELAS DE CONTINGÊNDIA

As Tabelas de contingência foram escolhidas em função da combinação de resultados em função de duas variáveis, a saber: Linhas | Sexo, Satisfação | Sexo, Preço | Sexo.imageSexo | Preço – neste caso verifica-se que a população feminina e masculina considera o preço do bilhete justo, a saber (67% para preço justo).imageSexo | Satisfação – mais uma vez neste caso a percentagem apresenta igualmente 67%, de utentes satisfeitos, masculinos/femininosimageSexo | Linhas – Podemos concluir que a Linha Azul é a mais utilizada, por ambos os sexos, sendo a sua percentagem de total de 80%.

4. CONCLUSÕES

4.1 Conclusões gerais sobre a população e sobre o tema

EM SÍNTESE podemos afirmar que a idade dos passageiros varia entre os 19 e os 79 anos, com uma média é de 56 anos e usada maioritariamente por uma população sénior feminina. A Linha Vermelha é a mais utilizada, tendo uma utilização média de 4 vezes por semana. O tempo de espera entre viaturas é encarado como razoável, os lugares são suficientes e o autocarro é confortável. O preço pago é justo, concordando com o preço de 0,50€ para o valor da viagem. A maioria dos utilizadores mora a menos de 500 metros da Paragem mais próxima. A maioria deles transporta bagagem de mão, transportando em média 6,5 kg. As Paragens mais utilizadas são a 9 e a 10, sendo que a Paragem de Saída (Linha Vermelha) mais usada é a 3 e a 14 (respectivamente, Zona Industrial e a Bernardo Gonçalves/Centro de Saúde).

Quanto à forma de pagamento, o Bilhete é o mais utilizado em detrimento do Passe. Segundo os utilizadores o preço médio justo para este mesmo Passe é de 6,55€.

O grau de satisfação, quanto à utilização geral do serviço público de transporte locais é maioritariamente Satisfeito, correspondendo à percentagem de 67% e o valor de 30%., para a modalidade Muito Satisfeito.

4.2 Dificuldades tidas e como foram ultrapassadas

Apenas podem ser reconhecidas dificuldades na obtenção dos dados, que inicialmente se contava poderem recolher-se em apenas um dia. Também o tratamento dos dados e a elaboração deste relatório, demorou mais tempo do que o inicialmente previsto, tendo sido ultrapassado com organização, distribuição de tarefas e disciplina de grupo, mas que, apesar de tudo, nos deu uma considerável satisfação a elaborar.

Aprendizagens de Estatística durante o projecto

Tomamos consciência da complexidade dum estudo estatístico e da responsabilidade dos dados neles contidos.

5. Referências Bibliográficas

Material disponível no Moodle – ESES, fornecido pela Docente Profª Raquel Santos

Pesquisa:

http://www.cm-almeirim.pt/http://www.cm-almeirim.pt/almeirim/ApoioMunicipe/AreasApoio/TUA/TuaPercursos.htm

Docente:

Profª. Raquel Santos

Discentes

Tânia Prates (09), Rui Bexiga (014), Fernando Veríssimo (012), Mário Cláudio (011)

Santarém, 11 de Janeiro de 2011

, ,

  1. Deixe um comentário

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: