Visita à ARTE LISBOA 09

O que começou por ser uma visita de um pequeno grupo depressa se transformou em visita de estudo da turma do 1º ano do curso de ECM – Pós-Laboral realizada em 21-11-2009, no Pavilhão 4 da FIL em Lisboa. Esta exposição realizou-se entre 18 e 23 de Novembro de 2009.

A exposição “Arte Lisboa” que é ao mesmo tempo uma exposição e uma feira de arte contemporânea que serve de montra aos novos artistas, é na realidade um enorme número de exposições de arte onde estiveram presentes 60 galerias, entre, Portuguesas, Espanholas, uma galeria Húngara, uma Cubana e outra Coreana, a exporem as suas obras disponíveis para venda. Presentes estiveram a pintura, a escultura, a fotografia, o vídeo, Project rooms e ainda a projeção de luz sobre elementos, acompanhadas de debates diários sobre o mundo da arte.

Neste ambiente associaram-se artistas, galeristas, jornalistas, críticos e público, uns para comprar, outros só para verem as novas tendências da arte que se vai fazendo nos países representados.

Tudo isto num ambiente de grande produção, onde as obras expostas se ofereciam bem visíveis, bem iluminadas e identificadas, com nome de autores, medidas, preço e ano de produção.

Nesta feira, estiveram presentes autores nacionais com nomes consolidados como Vieira da Silva, Paula Rêgo, João Viera, Cargaleiro, Mário Cesariny entre outros, bem como autores que começam a evidenciar-se e a criar nome como é o caso de, Leonel Moura, Teresa Bravo, Urbano, Gil Maia, João Vaz de Carvalho, Duarte Vitória, sendo estes, alguns dos nome que me chamaram mais a atenção).

Uma das conclusões que posso retirar desta visita, é a de que não existe hoje em dia um estilo mais evidente que outro, existe sim uma mistura de várias influências para produzir obras de arte. O figurativo e o abstracto, os dadas a Pop arte, a Op arte, as construções minimalistas, o realismo, e o Hiper Realismo (impressionante o realismo da pintura de Mansik Son, o Hitler crucificado e a pietá de Laureano Gisca), áreas que muitas vezes se misturam para tentarem criar algo de novo, que talvez se possa definir como pós-modernismo.

Em conclusão hoje a arte é muito eclética.

Pessoalmente para mim foi uma experiência bastante gratificante pois embora não esteja totalmente alheado deste tipo de arte presente na feira, (foi a minha terceira exposição visitada este ano) também é verdade que habitualmente não frequento estes espaços com a frequência devida, e que estes merecem. O normal contacto que tenho com a pintura e escultura advém da consulta de livros e o visionamento de documentários e notícias em jornais. Uma coisa é certa, o frequentar este tipo de acontecimentos, alarga horizontes, desperta-nos para outros pontos de vista do mundo que nos rodeia, e, sobretudo faz muito bem ao espírito.

Docente: Prof.ª Célia Barroca

Discente: Rui Manuel Duarte Bexiga

Nº090236014 1ºAno ECM

2009

, ,

  1. #1 by reginaldo nascimento on 09/09/2011 - 2:42 pm

    parabens e obrigado por nus dar o prezer de apreciar e valorizar esta maravilhoza obra.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: